Teatro da Vertigem. Foto: Claudia Calabi

100 textos essenciais do teatro brasileiro

por Rudinei Borges dos Santos


A indicação dos textos abaixo, como essenciais do teatro brasileiro, implica um critério absolutamente afetivo e sem maiores pretensões – a não ser de uma futura pesquisa mais apurada da relevância dessas criações para a literatura dramática produzida no Brasil ao longo dos últimos dois séculos e do contexto histórico social em que foram criadas. A posição que os textos ocupam não compreende uma ordem decrescente, mas uma ordem aleatória.


Teatro Experimental do Negro ensaiando "Sortilégio", de Abdias do Nascimento, 1957.
Teatro Experimental do Negro ensaiando “Sortilégio”, de Abdias do Nascimento, 1957.

1. Morte e vida severina [João Cabral de Mello Neto]

2. O rei da rela [Oswald de Andrade]

3. Vestido de noiva [Nelson Rodrigues]

4. O pagador de promessas [Dias Gomes]

5. Navalha na carne [Plínio Marcos]

6. Sortilégio [Abdias do Nascimento]

7. Vereda da salvação [Jorge Andrade]

8. Eles não usam black-tie [Gianfrancesco Guarnieri]

9. Eu sou vida; eu não sou morte [Qorpo-Santo]

10. Roda viva [Chico Buarque]

11. Auto da Compadecida [Ariano Suassuna]

12. A casa fechada [Roberto Gomes] 

13. Rasga Coração [Oduvaldo Vianna Filho]

14. Murro em ponta de faca [Augusto Boal]

15. O noviço [Martins Pena]

16. Macário [Álvares de Azevedo]

17. Arena conta Zumbi [Gianfrancesco Guarnieri e Augusto Boal]

18. Senhora dos afogados [Nelson Rodrigues]

19. Eva [João do Rio]

20. Ossos do barão [Jorge Andrade]

21. O último carro [João das Neves]

22. Dois perdidos numa noite suja [Plínio Marcos]

23. O santo milagroso [Lauro César Muniz]

24. Missa leiga [Chico de Assis]

25. Mutirão em Novo Sol [Nelson Xavier]

26. Toda nudez será castigada [Nelson Rodrigues]

27. Uma mulher vestida de sol [Ariano Suassuna]

28. O abajur lilás [Plínio Marcos]

29. Rapsódia negra [Abdias do Nascimento]

30. Rasto atrás [Jorge Andrade]

O rei da vela
“O rei da vela”, peça de Oswald de Andrade, em montagem do Teatro Oficina. Foto: Hélio Eichbauer

31. Lanterna de fogo [Qorpo-Santo]

32. Amor [Oduvaldo Vianna]

33. O demônio familiar [José de Alencar]

34. O poeta e a inquisição [Gonçalves de Magalhães]

35. Quem casa quer casa, provérbio em 1 ato [Martins Pena]

36. A capital federal [Artur Azevedo]

37. Apareceu a Margarida [Roberto Athayde]

38. Gota d’água [Chico Buarque e Paulo Pontes]

39. Abre a janela e deixa entrar o ar puro e o sol da manhã [Antônio Bivar]

40. A Beata Maria do Egito [Rachel de Queiroz]

41. O anjo do pavilhão cinco [Aimar Labaki]

42. Novas diretrizes em tempos de paz [Bosco Brasil]

43. Deus lhe pague [Joracy Camargo]

44. Calabar: o elogio da traição [Chico Buarque e Ruy Guerra]

45. 525 Linhas [Marcelo Rubens Paiva]

46. O filho pródigo [Lúcio Cardoso]

47. Ópera do Malandro [Chico Buarque]

48. Liberdade, liberdade [Millôr Fernandes e Flávio Rangel]

49. A Revolta da Chibata [César Vieira]

50. Cacilda [José Celso Martinez Corrêa]

51. Na carrera do Divino [Carlos Alberto Soffredini]

52. O verdugo [Hilda Hilst]

53. Pluft, o fantasminha [Maria Clara Machado]

54. Pano de Boca [Fauzi Arap]

55. Geração Trianon [Ana Maria Nunes]

56. Santidade [José Vicente]

57. A Moratória [Jorge Andrade]

58. Bailei na curva [Júlio Conte]

59. Lisbela e o prisioneiro [Osman Lins]

60. Vento forte para um papagaio subir [José Celso Martinez Corrêa]

O "Auto da Compadecida", de Ariano Suassuna, foi encenado pela primeira vez a 11 de setembro de 1956, no Teatro de Santa Isabel, pelo Teatro Adolescente do Recife.
O “Auto da Compadecida”, de Ariano Suassuna, foi encenado pela primeira vez a 11 de setembro de 1956, no Teatro de Santa Isabel, pelo Teatro Adolescente do Recife. Foto: Divulgação.

61. História de lenços e ventos [Ilo Krugli]

62. Caminho de Volta [Consuelo de Castro]

63. Zona Franca, meu amor [Márcio Souza]

64. De braços abertos [Maria Adelaide Amaral]

65. Fala baixo senão eu grito [Leilah Assumpção]

66. Enquanto se vai morrer [Renata Pallottini]

67. Em nome do desejo [João Silvério Trevisan]

68. Trate-me leão [Grupo Asdrúbal trouxe o trombone]

69. Paraíso perdido [Sérgio de Carvalho]

70. O Livro de Jó [Luís Alberto de Abreu]

71. Apocalipse [Fernando Bonassi]

72. Transegun [Cuti]

73. Um circo de rins e fígados [Gerald Thomas]

74. Trilogia marítima [Kiko Marques]

75. Agreste [Newton Moreno]

76. Luís Antônio Gabriela [Nelson Baskerville | Cia. Mungunzá]

77. Aldeotas [Gero Camilo]

78. Jaguar cibernético [Antônio Francisco Carlos]

79. Ópera dos vivos [Sérgio de Carvalho]

80. O jardim [Leonardo Moreira]

81. Trilogia Abnegação [Alexandre Dal Farra]

82. Maria Quitéria [Marici Salomão]

83. Vaga carne [Grace Passô]

84. O céu cinco minutos antes da tempestade [Silvia Gomez]

85. Stabat Mater [Janaina Leite]

86. Récita nº 3 – figurações [Leda Maria Martins]

87. Rebú [Jô Bilac]

88. O fingidor [Samir Yazbek]

89. Cartas a madame Satã ou me desespero sem notícias suas [José Fernando Peixoto de Azevedo]

90. A partilha [Miguel Falabella]

91. Trair e coçar é só começar [Marcos Caruso]

92. Farinha com açúcar ou sobre a sustança de meninos e homens [Jé Oliveira]

93. Caranguejo overdrive [Pedro Kosovski]

94. REVOLTAЯ – memórias de ilhas e revoluções [Dione Carlos]

95. As 3 uiaras de SP city [Ave Terrena Alves]

96. Catalão-Macaubal [Antônio Rogério Toscano]

97. Sardanapalo [Hugo Possollo]

98. Cordel do amor sem fim [Claudia Barral]

99. Colônia [Gustavo Colombini]

100. Nossa vida não vale um chevrolet [Mário Bortolotto]


 

rudinei-borges-1Rudinei Borges dos Santos – Dramaturgo, poeta e ficcionista. Graduou-se em Filosofia. É doutorando e mestre em Educação pela Universidade de São Paulo [USP]. É de sua autoria mais de 10 textos teatrais encenados em Angola e no Brasil, entre eles Dezuó: breviário das águas, finalista do Prêmio Shell de Teatro, Arrimo, Medea Mina JejeTransamazônicaRevolver e Luzeiros. Autor dos livros Epístola.40Memorial dos Meninos, Dentro é Lugar Longe e Chão de Terra batida. Em 2011, fundou o Núcleo Macabéa, da Cooperativa Paulista de Teatro. Publica poemas e textos teatrais na página: www.rudineiborgesblog.wordpress.com